sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Dia dos VampiroS, Sangue & Compaixão + Schopenhauer


"Como é possível que o sofrimento que não é meu, nem de meu interesse, 
possa afetar-me imediatamente como se fosse meu e com tamanha força que me impele a ação?"
Schopenhauer, ensaio acerca do livre-arbítrio Sobre o Fundamento da Moral


Escreví um longo e suculento depoímento para o Dia dos VampiroS à convite de sua criadora a Liz Vamp que é cineasta, atriz, escritora e a criadora desta data muito especial e querida a todos nós, Você pode ler aqui e também conhecer o que outros grandes nomes das "artes fantasticas"contam sobre a data e a campanha.

Intensificam os preparativos para o Dia dos VampiroS de 2011, o cortejo vampírico se reunirá presencialmente as 10h da manhã no vão livre do MASP na avenida Paulista - e como nas prosas fantásticas dos "Bon Temps" mostraremos que somos vamps indestrutíveis e a prova de sol...como Drácula de Bran Stocker ou ainda os finlandeses da banda The 69 Eyes...haverão ainda cortejos se formando em Amparo aqui no interior de SP, Brasília com a Kell Kill & a Vampy Lu...e em Nova Iorque nos EUA...além de pequenos focos em outras localidades...Venham...venham...de onde estiverem...Confira instante a instante o site oficial...

Para quem curte o Second Life, recebí agora mesmo a seguinte notinha enviada pelos headmasters do club Acidic Infektion: "-Galera bora curtir o dia do vampiro no site do second life.. como todos ja devem ter me visto aqui pedindo para curtir o link. isso ajuda muito para divulgar nosso club detro do metaverso.. espalhem esse link adiante e vamos todos nos reunir no dia 13 de agosto - confira aqui onde será o cortejo eletrônico 

Doar Sangue, Participar de Campanhas informativas contra o preconceito e outros males...Promover e valorizar a amplitude criativa e artística são valores e bandeiras muito especiais do Dia dos VampiroS - observando de um âmbito mais amplo tenho certeza que falamos sobre a compaixão como atitude, então deixo algumas palavras...

"(...)O dilema de Schopenhauer encontrou interessantes ressonâncias através dos tempos.Todos os dias e noites temos exemplos de pessoas que simplesmente tomam reações instântaneas e sem qualquer reflexão, correm ao auxílio de outras e por vezes até colocam suas próprias vidas em risco para salvarem completos desconhecidos e estranhos.Simplesmente sacam, que o outro estava em apuros ou necessidade.A resposta de Schopenhauer pontuava uma percepção metafísica, uma transposição de barreiras entre indivíduos de modo que o outro não fosse mais percebido como um estranho indiferente e sim como uma pessoa "em que eu sofro, apesar do fato de meus nervos não estarem cobertos por sua pele".Tal visão revela ao filósofo qe "meu verdadeiro e pessoal ser realmente existe em toda criatura viva...vindo a ser a base da compaixão, que fundamenta o altruísmo - virtude e cuja expressão está em toda boa ação.Os hindús já conheciam este conceito provavelmente um milênio ou dois antes de Schopenhauer.Os orientais davam-lhe o nome de "Tat twam asi" ou Tú és isso.
Tal percepção espiritual da compaixão - tanto em Schopenhauer, quanto para os Hindús, assim como para o mitógrafo norte-americano Joseph Campbell - era crítica e basal para a compreensão da linguagem metafórica através da qual a mitologia - fosse através da arte, da religião, do ofício ou da espiritualidade - fluísse em imagens e energia de uma fonte comum na imaginação humana.Campbell pontuava que "as metáforas de qualquer mitologia podem ser definidas como sinais de afeição derivados das intuições desse jogo do Eu através de todas as formas de um esquema local de vida, manifestado através de representações em rituais, narrativas pedagógicas, preces, meditações, festivais anuais e coisas do gênero, de maneira que todos os membros pertencentes à comunidade possam estar apegados, tanto em mente quanto em sentimento, ao seu conhecimento e se sentir motivados a viver de acordo."Inúmeras vozes e coros, como os tubos de um órgão ressoando pelos arcos e abóbadas de uma obscura catedral...acordes de cem tubos se fundiam...como se fossem veículos dos apêlos de um mesmo espírito...em variações extraordinárias e deslumbrantes...E fórtissimas candidatas a explicarem apropriadamente a metáfora do "Sangue" e seus meandros presente na vertente da Cosmovisão Vampyrica. Podemos perceber influências budistas, hindús e orientalizadas interessantíssimas na obra de Arthur Schopenhauer.Assim como outros desta época, tais influências não são explicitamente comprováveis e podem passar pela inglória explicação: "Membro de subcultura ou cosmovisão quer ver raiz de sua ethos em toda parte, porque está imerso nela, e vê o mundo assim".(trecho de RomantismoXOrientalismo:Feminino e Meio-Ambiente de Lord A:.)

Aliás, neste mês de Agosto ainda teremos outros eventos importantes:[em breve postaremos detalhes sobre a programação e inscrição~]

  • Sábado 13 de Agosto a tarde o evento Fantasticon de literatura fantástica na Biblioteca Viriato Côrrea, na avenida Sena Madureira pertinho do metrô vila Mariana.












Saboreie também...

Outras postagens interessantes