quarta-feira, 3 de abril de 2013

Vampyros, Vampyras e Espelhos: Reflexos e Transparências


Dizem que o vampiro das histórinhas e do folclore não tem reflexo no espelho e que também não tem sombra.Muito já foi escrito sobre isso.Alguns contos muito recomendados sobre este tema integraram a obra Vampiros no Espelho da escritora paulista Giulia Moon publicado no começo do século XXI.Uma obra que merece a leitura de neófitos e veteranos da Subcultura Vamp pelo lirismo e delicadeza da autora em cada sentença...Mas neste artigo irei abordar outros temas...

Penso que aspirantes e integrantes da Cosmovisão Vampyrica possam buscar algumas palavras a respeito deste tema de Espelho, Reflexo e Transparência.Então, armado de algum lírismo e boa prosa digo que chega um tempo nas escolhas da vida, que devemos simbólicamente aprender a não mais nos refletirmos nos espelhos dos outros.Devemos aprender a pararmos de buscar a sí em terceiros, espelhos tão deslocados e desfocados...

Não precisamos fazer de conta que aquilo que temos de mais íntegro ou fragmentado esteja em outras pessoas.Não precisamos mais de agentes e no final das contas é isso.Claro, ainda assim seremos espelhos para terceiros mas quem sabe assim possamos aprender que aquilo que alguns culpósamente insistem em refletirem e jogarem sobre nós, é apenas e tãosomente deles.É como aprender a recusar presentes e tirarmos de nossas vidas pessoas que não sentimos afinidade, convergência ou concordância com seus valores e atitudes depois de termos provado, vivenciado e reconhecido seus padrões.

Lord A:. & Srta Xendra no Fangxtasy - foto de Erick Muller Thurm


No Jardim-Selvagem que vivemos, a vida muitas vezes se compara a um mercado de escolhas boas e ruíns, sortes e revérsis - causados por nossas escolhas mais íntegras ou mais fragmentadas.Deuses e Deusas, Dragões e Daemons apenas abençoam ou amaldiçoam para que as coisas venham no devido momento.Mas se pararmos para esperarmos será conformismo e este traz apatia - e logo vêm a barbárie...se tentamos passar sobre tudo também é uma desmesura.Em tons líricos (e que falam ao meu coração de forma Dracônica) uso palavras mas prefiro as imagens e as ressonâncias que evocam, falo para a alma de cada um (quem tem, tem!).

Através da antiguidade (ou daquilo que sinto como raízes da minha vida) vivêncio que valores imortais como o amor, honra, caráter e virtude são sinônimos uns das outros.E que vem ao nosso encontro e que podemos escolher cultivar e assim alçarmos alguma integridade e capacidade de nos integrarmos com afins e convergentes.É aquilo que aglutina e só permite que fique o que tem transparência.O que não tem se esvai.

A transparência nada mais é do que um jeito oriental para nomearmos o que é nomeado como vontade dos místicos ocidentais ou pulsões dos mapeadors da mente moderna.E outras palavras como destino, sína e fádo nada mais são do que a complementaridade daquilo que é sustentar em nossa velocidade, intensidade, peso, carga e expressão o nosso amor, honra, caráter e virtude com transparência perante sí...e reconhecendo que percebemos mais e mais - ou que ainda recebemos mais e mais - em nossa vida aquilo que cultivamos conscientemente ou inconscientemente...como guardar uma chama através da noite...

Aliás posso lhe assegurar que o sabor de viver com transparência perante sí é doce como o do mel vermelho-sangue.Aquele que nunca azéda em nossa vida mesmo quando nos jogamos nos redemoinhos azedos e amargos das encruzilhadas da vida que temos que passar - por escolhermos vir-a-ser e assim protagonizarmos nossa vida.Um dia a morte vêm, o destino se cumprirá e o que teremos e deixaremos é apenas o que fomos e do jeito que acabamos sendo...sem culpas e sem arrependimentos.Aprender a viver é aprender a morrer como diria DaVinci.

Foto de Vitor Ryuzo
Que amor, honra, caráter, virtude e transparência possam encontrar a cada um de vocês, como também me encontrou nesta vida.Alguns podem imaginar, mas são tais inspirações e expressões que nos encontram ou seremos nós que devemos buscar pelas tais?Enfim, Vampyros e Vampyras vamos aprendendo a desenvolver nossa transparência e deixando de buscar reflexos, recompensas e culpas em tantos espelhos de terceiros...afinal de contas cada espelho é pessoal - e para cada um -mas ainda assim um espelho.

3 comentários:

  1. Texto inspirador, Chefe!! =^-^= Me fez pensar em 2 coisas:

    1ª- Coisa Recente: andei cortando laços com pessoas desagradáveis. Foi bem difícil no começo, porque fui criada pra ser 'educadinha', mas tem gente que nos enche até a tampa com suas lamas asquerosas de preconceitos... foi demais para minha tolerância e eu dei a descarga!
    Me sinto menos educada... mas muito menos estressada também!

    2ª- Coisa Antiga: esse papo sobre espelhos... quando eu era beeem criancinha, aqui em casa tinha uma bolsa-baú preta, dentro dela tinha um pequeno espelho. Eu me sentava nas tardes e olhava pro espelho de dentro da bolsa e a magia acontecia: ao invés dos meus olhos, o espelho refletia o que estava dentro... eu tinha flashes muito vivos de uma de minhas vidas passadas, no Japão. Era como ver um filme, muito nítido, com direito a sons e conversas. Eu era uma criança recordando um passado onde fui adulta, fui idosa... isso quebra totalmente com a lógica! E pensar que quem via de fora achava que eu era apenas uma garotinha muito quieta e vaidosa! XD Pena que perdi a tal bolsa... mas penso seriamente em comprar outra e dar uma espiadinha no que o tempo escondeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ;-) Excelente relato amiga Felina! A magia jaz nas coisas vívidas do instante a instante e não em presunções e idealizações exageradas.Muito bom!

      Excluir
    2. E o que não é "O DESTINO" dos antigos senão o simplesmente viver com plenitude e algum controle cada aspecto de sí - os Órficos diziam que o Destino era simplesmente reconhecer os papéis dos 7 regentes celestes em sua vida.Isso será melhor explicado no próximo artigo!

      Excluir

Saboreie também...

Outras postagens interessantes